Tem Coisa que é para se Fazer Sozinho

“Ide; eis que vos mando como cordeiros ao meio de lobos” (Lucas 10:3).

O mar estava encapelado naquele dia. Passávamos por Abrolhos indo em direção ao porto de Salvador. Eu tinha um desejo: visitar um hospital. Convidei alguns irmãos para juntos fazermos as visitas aos enfermos. O navio atracou sem problemas. Na primeira licença sai em busca de cumprir o propósito de meu coração. Esperei por trinta minutos os irmãos… não compareceram no local marcado. No hospital me dirigi ao guarda sentado na porta de acesso ao corredor principal e lhe falei que gostaria de orar pelos enfermos. Ele me ouviu atentamente, porém não levou a sério o que lhe disse, e em vez de permitir a minha entrada, fez foi me proibir. Uma enfermeira que ouvia tudo atentamente disse ao guarda: deixa-o entrar, é um pastor, vou levá-lo as enfermarias, lá tem muita gente precisando de oração… visitei o leito de uma senhora enferma. Tirei um vidro de azeite ungido do bolso, orei, repreendi a enfermidade… A mulher fez um barulhão e logo disse que não mais sentia dores… tive que sair dali correndo com a enfermeira, pois várias pessoas que receberam oração davam o mesmo testemunho e alguns já estavam me procurando ali para que orasse, o ambiente ficou inflamado, tive medo dos médicos, então tratei de sai fora daquele hospital. A enfermeira me conduzia pelos corredores, ela me pediu o azeite e disse que estava desviada do Evangelho e que queria voltar para Jesus… Já refeito do susto e pensando nos colegas crentes que não apareceram, tive a certeza de que há trabalhos que Deus confia unicamente a uma pessoa e não a muitos, logo, aprendi que há coisas que é para eu fazer sozinho.

Caso o amigo e irmão deseje ler todo o testemunho, e muitos outros é só entrar em contato comigo pelo telefone (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, e-mail orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que o livro chegue em suas mãos. O mesmo não se acha disponível nas principais livrarias nacionais.

Deixe Deus pelejar por ti!

“A peleja não é vossa, senão de Deus” (II Cr 20.15).

 Há momentos em nossas vidas em que as forças vão sumindo, a disposição vai se desvanecendo e a visão de um futuro promissor parece não existir. A água do poço chega ao final, os pássaros já não gorjeiam alegremente, até mesmo a fonte do jardim, que flui dia e noite, não tem mais a força característica, apenas um filete de água, sem força e sem brilho, umedece as poucas roseiras existentes. O sorriso dá lugar às lágrimas, os joelhos não descem mais ao solo para conversar com Deus, a Bíblia vez por outra é aberta em busca de consolo nos Salmos. Tudo parece ter perdido o colorido da vida, a vontade de ficar em casa, em vez de no templo é contínua, porém, essa atitude em nada ameniza a dor, pois a verdadeira comunhão é facilmente adquirida na casa de oração. Caso você se encontre numa situação idêntica, saiba que “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente” e jamais te abandonará, mas tome a decisão de ter Jesus Cristo como seu amigo. A partir daí, Ele passará a batalhar por ti. O Senhor precisa apenas de um sinal verde de sua parte para agir, visto que Ele mesmo está à porta e bate (Ap 3.3). Você precisa cair na real. Sozinho você não irá muito longe e a igreja de Cristo sempre estará pronta para te ajudar – “procure abrir os seus lábios e alargar bem o seu coração” (II Co 6.11). Permita que outros se aproximem de você. Talvez você nunca conversou com seu pastor. É possível que os juízos feitos por ti acerca dele não sejam verdadeiros, e isso tem se constituído num grande obstáculo a sua comunicação com ele. Deixe Deus pelejar por ti. Saiba tão somente que essa peleja não é sua, mas de Deus.

O Evangelho é poder de Deus

“Porque não me envergonho do Evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, e também do grego.” (Romanos 1.16).

 O apóstolo Paulo tinha motivos concretos para não se envergonhar do Evangelho de Jesus Cristo. Paulo, jamais ostentou sua cidadania romana a fim de se vangloriar, mas, diferentemente dos filipenses, procurou valorizar em sua vida a condição de cidadão celestial. Ele, não se envergonhou em nenhum momento, em sua trajetória cristã, todavia sentia orgulho de ser servo de Jesus Cristo, de modo que sempre procurou testemunhar de sua fé no Filho de Deus, defendendo-a até à hora de ser decapitado em Roma. Seu amor pelo Evangelho é notório nas páginas de ouro do Novo Testamento: “Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do Evangelho da graça de Deus” (Atos 20.24). O Evangelho como sal e luz do mundo tem melhorado em muito a vida daqueles que almejam morar nas mansões celestes. Tem acima de tudo “salvado a muitos, arrebatando-os do fogo… (Judas 23). Certo industrial comentou para um pastor evangélico seu amigo: “Reverendo, seu Evangelho não melhora a vida de ninguém. Veja quantos drogados, viciados, ladrões e pedintes nos rodeiam!” – Respondeu o distinto Ministro:  “também o sabão que o sr. Fabrica, não limpa ninguém. Veja quantos meninos sujos andam pelas ruas!” – Respondeu o empresário: – “Ah!, mas eles não usaram o meu sabão!” – Da mesma maneira, aqueles malfeitores não estão usando o Evangelho que eu prego, disse-lhe calmamente o pastor.Trata-se aqui de uma pura realidade. Ninguém que se chega a Cristo é lançado fora pelo Mestre, mas Ele o envolve em seus braços cheios de amor. O Evangelho é capaz de transformar o mais vil pecador em uma criatura com total aceitabilidade na sociedade, na família e no céu. Meu querido pregador, continue pregando o Evangelho, pois ele, até hoje, tem sido o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crer no Filho de Deus. Amém!.