Marinheiro de novo

“Jesus respondeu e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus” (João 3.3).

A semana começou agitada. Era terça-feira e, ainda, no rancho se comentava que os requerimentos haviam chegado e que no segundo-tempo já seria possível saber o veredito. Almocei rápido e fui correndo para a escola. Lá chegando aproximei-me do secretário e lhe perguntei: quando vamos ser desligados? Ele apenas me respondeu: seu requerimento não retornou, é bom você falar com o Comandante Heleno. Ele saiu mais cedo, e só estará na sala amanhã. Meu coração disparou de vez, e falei para mim mesmo: o que de fato aconteceu? Eu não me “stressei” como de costume, alguma coisa dentro de mim me consolava e sabia que se tratava do Espírito Santo me dando um alento jamais sentido em toda minha vida. O restante do dia foi só tensão. Nem o convite para a “pelada” (jogar bola) aceitei, preferi ficar debaixo de uma árvore pensativo. O sol se foi e decidi dormir ali mesmo na Escola. No alojamento peguei a minha Bíblia e li vários salmos e senti uma paz grandiosa e adormeci. Ao levantar naquela manhã de quarta-feira fiz minha oração matinal e nela pedi ao Senhor para me orientar e que me desce força para pedir ao Encarregado que intercedesse por mim para que não fosse desligado da Marinha, pois havia pensado melhor e gostaria de ficar mais alguns anos e se possível seguir carreira. Tomei o meu café e fui, como de costume, para a sala do chefe trabalhar. Tinha várias planilhas para revisar. Quando ele chegou, lhe comprimentei, lhe bati continência, lhe dei bom dia e quando ele se ajeitou em sua cadeira, pedi-lhe licença e falei: comandante Heleno, ontem chegaram os requerimentos dando deferido ao pedido de desligamento dos ex-alunos do curso e o meu não chegou. Desde ontem que não dormi, só pensando no por quê dele não ter chegado. E desde sábado que me veio uma vontade de permanecer na Marinha, mas sei que seria impossível, agora, o senhor com sua autoridade interceder por mim. Sei que fui imprudente e movido por sentimentos impensados, fui na onda de meus colegas e acabei fazendo o documento, mas estou arrependido e não sei como fazer para reverter esse quadro. Ele sorriu, abriu a gaveta …

Esse relato é comovente e edificante. Caso o amigo e irmão deseje ler toda a mensagem na íntegra, e o livro Avistei o Farol, é só entrar em contato comigo pelos telefones (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, email orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que o livro chegue em suas mãos, uma vez que você não o encontrará, ainda, nas principais livrarias nacionais.

Anúncios

Há alguma coisa errada!

“Dos galhos dos seus ramos saiu fogo que consumiu o seu fruto, de maneira que já não há nela galho forte que sirva de cetro para dominar. Esta é uma lamentação e ficará servindo de lamentação” (Ez 19.14).

O balanço diário, cada um precisa fazer diariamente, ou seja, olhar para dentro de si e ver se há algo errado em sua vida espiritual. O cristão é como a videira no Jardim de Deus, não pode deixar que os galhos se sequem ao ponto de fazer atrito e pegar fogo. As grandes queimadas, geralmente, são causadas por atritos entre os galhos ressecados. Quando há o atrito, a digladiação torna-se uma realidade, o Espírito de Deus fica muito triste nessa hora. É preciso que os galhos fiquem viçosos e dêem frutos de qualidades, os chamados fruto do Espírito (Gl 5.22 e 23). Não consigo, como pastor, entender como uma pessoa sobreviva espiritualmente numa igreja sem conseguir se relacionar harmoniosamente com seus irmãos de fé.  Mais difícil ainda é, com este comportamento, estar à frente de um determinado grupo e se manter firme e forte. O Senhor nos diz: “… não há na árvore galho forte que sirva de cetro para dominar…”. Pessoas que se encontram nessa situação estão sentenciadas a caírem, tornando-se fracas e tendo grandes probabilidades de perderem o domínio sobre si mesmas. Elas conseguem driblar o pastor, os amigos, os domésticos na fé e vão se mantendo no meio cristão sem serem percebidas, pois os vasos preciosos na casa do Senhor estão sonolentos e dormindo, todavia, não sei por quanto tempo, mas estão adormecidos não percebendo esses galhos secos, os quais se arrastam, e vivem de engano, porém, só não conseguem enganar o Espírito Santo. Esses “galhos secos” não conseguem manter comunhão com os demais irmãos da comunidade, não se comunicam, não se falam e nem se olham. Quando seus alguém tem a oportunidade franqueada pelo pastor, chegam até a sair do templo para não contemplarem Deus usar o outro, quer na ministração da palavra, quer na ministração do louvor…

Caso o amigo e irmão deseje ler toda a mensagem na íntegra, e o livro por inteiro Nas Asas do Espírito Volume 2, Crescendo como a Videira, é só entrar em contato comigo pelos telefones (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, email orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para o livro chegue em suas mãos, uma vez que você não o encontrará, ainda, nas principais livrarias nacionais.

 

Não olhe para a embalagem!

 “O Senhor te abrirá o seu bom tesouro, o céu, para dar chuva a tua terra no seu tempo e para abençoar toda obra das tuas mãos; emprestarás a muitas gentes, porém, tu não tomarás emprestado (Dt 28.12).

 Disse-nos certa missionária em um dos seus momentos de inspiração por ocasião da ministração da palavra de Deus: “não olhe para a embalagem”. Em seu testemunho disse ela: Quando atravessava por momentos de grandes necessidades, parou no centro da sala e ouviu o barulho de um carro a sua porta. Olhou, e viu um carro importado parado. Muito se alegrou, pois pensou: ”o meu problema acabou, Deus mandou a solução”. Todavia, quando o proprietário do veículo entrou em seu lar, já foi logo dizendo: “missionária ore por mim pois estou passando por uma fase muito difícil, estou numa tremenda “pindaíba”, me ajude!”. Com tais palavras introdutórias, foi-se toda a sua expectativa, esperança, e fé! Horas mais tarde, tocaram a campainha. Era uma membro da igreja, muito simples e humilde. Do grupo pobre da igreja, que lhe trazia uma oferta que Jesus lhe mandara entregar. Ao abrir o envelope, a oferta era o suficiente para lhe deixar aos risos, pois, dava para pagar todos os seus compromissos, então ela disse para si mesmo: não olhe para a embalagem! E digo eu para você neste dia: não olhe para a embalagem! Essa é uma lição tirada daquele testemunho maravilhoso. A Bíblia diz: ”E sucedeu que, entrando ele (profeta Samuel), viu a Eliabe e disse: certamente, está perante o Senhor o seu ungido. Porém, o Senhor disse a Samuel: não atentes para a sua aparência, nem para a altura da sua estatura, porque o tenho rejeitado…” (1 Sm 16.6,7). Por pouco o profeta Samuel não ungiu a pessoa errada, reprovada por Deus, porquanto, Samuel houvera olhado somente para a formosura (a embalagem) de um dos filhos de Jessé, quando, o Senhor manda olhar para o interior, para o que vem das profundezas do coração, para os frutos que são produzidos através do testemunho. Tal como Samuel, o cristão não deve olhar para a aparência (embalagem), mas seguir a orientação de Deus, que vê o íntimo, o coração. Saia hoje mesmo da represa! Não olhe para a embalagem! e mediante a sua fé continue lutando para não perder o seu tesouro: o céu.