Há alguma coisa errada

“Dos galhos dos seus ramos saiu fogo que consumiu o seu fruto, de maneira que já não há nela galho forte que sirva de cetro para dominar. Esta é uma lamentação e ficará servindo de lamentação” (Ez 19.14).

Com frequência se precisa fazer um balanço na vida. Como videiras no Jardim de Deus, não podemos deixar que os galhos se sequem a ponto que, em atrito um com o outro, peguem fogo o qual venha a consumir o que há de mais glorioso em nossa vida – os frutos, ou seja, as qualidades naturais que são chamadas de fruto do Espírito (Gl 5.22 e 23) e as sobrenaturais que são chamadas de dons espirituais, os nove descritos na primeira epístola de Paulo aos Coríntios, capítulo 12. Não consigo, como pastor, entender como uma pessoa possa sobreviver espiritualmente sem conseguir manter uma harmoniosa amizade com seus irmãos em Cristo. Mais difícil ainda é, com este comportamento, estar à frente de um determinado grupo e ser forte. É o que diz o Senhor: “… não há na árvore galho forte que sirva de cetro para dominar…”. Pessoas que se encontram nessa situação estão fadadas a cair, tornam-se fracas e têm grandes probabilidades de perderem o domínio sobre si mesmo. Essas pessoas conseguem driblar o pastor, os amigos, os domésticos na fé e vão se mantendo no nosso meio, não sei por quanto tempo, mas estão se arrastando, só não conseguem enganar o Espírito Santo. Essas pessoas não conseguem manter comunhão com alguns, não se falam, não se olham e, quando o outro tem a oportunidade franqueada pelo pastor, chegam até a sair do templo para não contemplar Deus usando o outro, quer na ministração da palavra, quer na ministração do louvor. Tenho plena confiança em Deus e tenho orado para que o Espírito Santo possa fazer uma grande obra no nosso meio. Não é admissível convivermos num clima em que algumas pessoas não se falem. Se não se falam, logo, não estão em comunhão uns com os outros e, por conseguinte, não estão bem com Deus e estão brincando de ir para o céu. Isso, além de ser um grande perigo para elas mesmas, porque estamos às portas do arrebatamento da Igreja, e poderão ficar aqui, também põem a igreja em dificuldades espirituais, pois pessoas nessas condições no nosso meio impedem o Espírito Santo de operar com liberdade. Queridos, faço um apelo com lágrimas para que anotem aqueles que estão nessa situação. Orem por eles e tentem fazer a reconciliação deles a fim de que Deus possa abençoar poderosamente nossa igreja. Acho que tem alguma coisa errada, pois Deus poderia operar muito mais no nosso meio.

“Não posso gastar tudo que tenho com Deus!”

“Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado” (2 Coríntios 12.15).

Uma das palavras mais comoventes, para mim, proferidas por Paulo em seus ensinamentos aos Coríntios, é sem dúvida quando ele fala que, se os irmãos em Corínto amando-o ou não, ele se deixaria gastar em prol de cada um deles. E analisando a vida do apóstolo Paulo percebe-se que ele lutou muito, batalhou bastante para que a igreja ali, que contava com quatro grupos que se digladiavam entre si, fosse alcançada pelo amor de Cristo. O mesmo apóstolo dedicou um capítulo inteiro de sua primeira epístola o capítulo treze. Há algumas pessoas que não conseguem se desvencilhar das coisas materiais, embaraçosas e cheias de atalhos que a vida oferece para se dedicarem somente a Deus, e acabam dizendo: “Não posso gastar tudo que tenho com Deus!”. Quando a pessoa gasta a sua vida com Deus ele, certamente, estará plantando o seu futuro após a morte. Ele estará sim, garantindo a coroa da justiça: “Desde agora, a coro da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas, também, a todos que amarem a sua vinda” (2 tm 4.8). Aprenda a se desgastar por amor a Cristo e verás o quanto irás lucrar.