O navio está a salvo

“Os que descem ao mar em navios, mercando nas grandes águas. Esses vêem as obras do SENHOR, e as suas maravilhas no profundo. Pois ele manda, e se levanta o vento tempestuoso que eleva as suas ondas” (Salmos 107:23-25).

Das muitas preocupações do telegrafista uma é considerada a maior, a questão da posição do navio. Quando a equipe de comunicações consegue mandar a posição do navio, então todos ficam mais tranquilos, principalmente, o comandante. O dia estava maravilhoso. O Comandante do navio liberou recreação geral. Aproveitei para ir lá para a proa e passei quase toda a manhã acompanhando o show dos golfinhos. Somente a bordo de um navio de grande porte e em alto mar se consegue contemplar um espetáculo tão maravilhoso como o que presenciei… procurei o pastor Silva e lhe disse que o pessoal da estação rádio recebeu carta branca do encarregado da divisão para comemorar o aniversário do telegrafista chefe. O capitão-tenente liberou o próprio setor para a festa. A estação rádio era muito pequena e ali eu não iria ficar confortável então pedi uma sugestão ao pastor: – perguntei ao pastor, o senhor acha que eu devo comparece ao aniversário do telegrafista chefe? – acho que sim, ele é uma pessoa muito boa e gosta demais de você. Se não fores ele ficará muito aborrecido. – pastor disse eu, ouvi uma conversa entre eles que por ocasião da festa eles iriam aprontar uma cilada para mim, não sei do que se trata, só sei que é algo que irá manchar minha reputação como cristão, é tanto que alguém pediu até para não esquecerem a máquina fotográfica, e a foto iria ser publicada no jornalzinho de bordo por nome “a patada”. Após alguns momentos pensando o pastor Silva me disse: – se é assim, acho melhor você ficar por aqui. Neste lugar onde estamos ninguém te achará e você sairá daqui somente para ir ao rancho e depois entrar de serviço… Ali oramos, lemos a Bíblia e ouvi muitas histórias de sua vida naval, inclusive sobre a missão em São Domingos e algumas incursões em praias brasileiras, ou melhor exercícios típicos dos fuzileiros navais, bem como sobre o seu ministério pastoral. Foi tudo muito maravilhoso… Quando cheguei à estação rádio para assumir o serviço, percebi que o clima estava tenso. A famigerada “mensagem de posição”, ainda não tinha o recibo de nenhuma estação do Brasil, ou melhor, eles não tinham ainda a certeza da entrega. O encarregado da divisão estava ali junto com parte da equipe, os demais, tão logo encerrou a comemoração do aniversário do telegrafista chefe (TL-Chefe) abandonaram a estação rádio. – o cheiro de salgadinho e cerveja e outras bebidas saturava o ar da estação. Passei por eles, fui em direção a escotilha e a abriu um pouquinho somente. Ali orei para o mar e não se via nem o horizonte. Tudo estava como um breu. Naquele momento eu orei ao Senhor e enquanto orava algumas estrelas cadentes cortaram o céu e se perderam além do horizonte. Sempre que isso acontecia eu entendia que o Senhor ouvira minha oração. Essa certeza eu trazia comigo desde quando eu subia ao monte de Paracambí para buscar a Deus.  Fechei a escotilha e perguntei ao Sargento Orlandino, TL-Chefe: – o senhor permite eu tocar no manipulador? – claro, já fizemos de tudo, além do CW, trafegamos pela fonia e não tivemos êxito. O Encarregado Capitão-Tenente Flávio ficou olhando todos os meus movimentos. Eu guarneci o manipulador, liguei o transmissor de RF e iniciei um contato com a Estação Rádio de Natal, como eu estava com o fone de ouvido eles não ouviram nada do tráfego, nem a resposta daquela estação brasileira sobre o recebimento da mensagem de posição. Eu, desconectei o fone de ouvido, aumentei o volume do receptor e perguntei mais uma vez pelo código Morse: vocês receberam a nossa mensagem de posição? Caso afirmativo favor emitir um sinal contínuo. A resposta foi imediata. O sinal longo foi ouvido por todos. O navio estava a salvo. O TL-Chefe e o operador de serviço abriram um sorriso longo um para o outro e o chefe falou para o Encarregado: a Estação de Natal recebeu a posição e já mandou para a estação do Rio de Janeiro. O CT Flávio, colocando a mão no meu ombro me agradeceu e sai, dizendo que iria avisar ao comandante do navio e ao chefe do departamento de navegação que o navio estava a salvo, pois a posição já estava no Rio de Janeiro. Minutos depois eu abri a escotilha fiz outra oração a Deus, vi várias estrelas cadentes e agradeci de todo coração a intervenção do Senhor, somente ele poderia ter nos dado aquela vitória e honrado o meu nome perante os meus superiores. Em menos de uma hora as comunicações se normalizaram e as estações rádios do Brasil trafegaram comigo e foi tudo uma benção. O serviço foi muito tranquilo, sem ocorrências. O navio estava salvo isso era tudo naquela hora.

Esse relato é comovente e edificante. Caso o amigo e irmão deseje ler todo ele na íntegra e saber como foi os detalhes da vitória, é só adquirir o livro Avistei o Farol. Entre em contato comigo pelos telefones (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, email orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que o livro chegue as suas mãos, uma vez que você não o encontrará, ainda, nas principais livrarias nacionais.

Anúncios

Um varão chamado Saulo

“Levanta-te, e vai à rua chamada Direita, e pergunta em casa de Judas por um homem de Tarso chamado Saulo; pois eis que ele está orando (…) Este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome diante dos gentios…” (At 9.11 e 15).

A conversão de Saulo foi uma das mais notáveis já relatadas na Bíblia Sagrada. Além de repentina, foi também completa e se deu por revelação direta do Cristo ressuscitado, a qual fez com que Saulo desfrutasse privilegiadamente da multiforme graça divina (Tt 2.11). Saulo fora um dos ferrenhos perseguidores da igreja primitiva e tudo ele fez baseado no seu zelo doentio pelo farisaísmo, cujo expoente renomado chamava-se Gamaliel… Saulo recebera carta das autoridades judaicas para perseguir, prender e maltratar os cristãos, porque eles pregavam a Jesus Cristo. Saulo chamava-os de “os da seita do Nazareno”. Foi no caminho de Damasco, quando se dirigia para uma de suas cruéis investidas, que se deparou com Jesus Cristo, e este, o fez prostrar-se aos seus pés, humilhar-se e chamá-lo de Senhor. Cego, foi refugiar-se na rua chamada Direita, em Damasco … Ele foi um vaso escolhido (At 9.15) para obedecer (At 26.19 e Rm 1.5), para servir (At 24.14 e Fp 1.1), para sofrer pela obra de Deus (At 9.16 e 20.22 e 23) e também para ser um exemplo dos fiéis (I Co 4.16, 11.1 e Fp 4.17)… Os ministérios que lhe foram dados foram plenamente desenvolvidos (Ef 2.11). Ele foi chamado de Apóstolo dos Gentios (Rm 1.13; Cl 1.1), foi missionário aprovado (At 15.35,36,40; 16.1-8), evangelista consciente e abnegado (I Co 1.17; Rm 10.13,15) e mestre com excelência (I Co 11.23; 15.3; Gl 1.12)… Sua mensagem teve temas diversificados. Não só falou sobre a salvação mediante a graça (Ef 2.8; Tt 2.11), mas também abordou a questão da justificação pela fé (Rm 3.21-26), da ressurreição de Cristo e dos salvos (I Co 15), da igreja como sendo o corpo de Cristo (I Co 12.12-31), do amor de uma forma como ninguém houvera falado (I Co 13), dos dons espirituais (I Co 12.1-11), da santificação (I Ts 4.3,7; 5.23) e da volta de Jesus Cristo em glória para arrebatar sua Igreja Amada (I Co 15.51-58; I Ts 4.16-20)… Um certo pregador disse: “Ainda que se retire da Bíblia o Pentateuco, os livros proféticos, os livros históricos e os demais livros, deixando somente as epístolas paulinas, ainda assim teríamos ótimo manancial para edificação e salvação de vidas.” Um varão como esse, muitos gostariam de ser, porém, quando se fala em pagar o preço, muitos fogem. Deus disse a Ananias “… este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome diante dos gentios”.

Caso o amigo e irmão deseje ler todo o livro, o volume II da Coleção Nas Asas do Espírito, entre em contato comigo e adquira-o, não só este, mas os demais volumes pelos telefones (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, email orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que o livro chegue em suas mãos, uma vez que você não o encontrará, ainda, nas principais livrarias nacionais.

Passos para uma vida feliz e duradoura

“Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus; bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados…” (Mateus 5.2-12).

Ao lermos o Sermão da Montanha, conhecido como as beatitudes de Jesus Cristo, encontramos alguns passos para a felicidade nesta terra tão conturbada e cheia de perversidade. A humildade (v.3) é a base para se iniciar qualquer projeto de vida; A sensibilidade (v.4), reinante naquele que luta pela justiça, ao ponto de ter fome e sede por ela, encontrará inimigos no caminho, mas se perseverá, obterá a vitória; Manter-se firme num propósito (perseverança) depende unicamente de disciplina(v.5), pois, ser manso e aguentar calado certos desaforos é uma virtude de poucos; Hoje, para ser justo e fazer o que é correto é arranjar uma encrenca com o sistema em nossa volta. Jesus diz que são bem-aventurados os misericordiosos (v.7). Ser solidário é uma grande virtude, pois, alguns que exercitam a misericórdia acabam recebendo um troco de ingratidão, mas não é por isso que devemos lutar por sermos solidários com o nosso semelhante; É gratificante quando o homem procura se manter limpo de coração, mesmo que as tempestades da vida lhe sejam contrárias, mesmo que os vendavais da corrupção e da avareza sejam correntes contrárias ao seu caráter, todavia, os que se mantêm limpos de coração verão a Deus um dia (v.8); Contribuir para um mundo melhor é hoje uma coisa difícil. Ser pacificador é algo que exige uma força de vontade enorme. Desandar o mingau, a amizade e o relacionamento, me parece ser o mais fácil para muitos. Os filhos de Deus são pacificadores (v.9). Procure sempre ser chamado filho de Deus e seja feliz nesta vida e na vindoura.