Salvo pelo congo

“E de repente sobreveio um tão grande terremoto, que os alicerces do cárcere se moveram, e logo se abriram todas as portas, e foram soltas as prisões de todos. E, acordando o carcereiro, e vendo abertas as portas da prisão, tirou a espada, e quis matar-se, cuidando que os presos já tinham fugido. Mas Paulo clamou com grande voz, dizendo: Não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos. E, pedindo luz, saltou dentro e, todo trêmulo, se prostrou ante Paulo e Silas. E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa’ (Atos 16:26-31)

Era uma manhã de domingo e deixava a igreja após a Escola Bíblica, em São Cristovão, onde congregava quando alguém me cercou e me perguntou se eu conhecia o Oswaldino. Disse-lhe que sim, então ele me mostrou o jornal que estava em suas mãos. Li rapidamente a matéria e fiquei com minha alma triste. Ao chegar em casa, ainda chorava. Lá estava o irmão Genisvânio que dividia o quarto onde morávamos. Disse-lhe eu: – Preciso ir nessa delegacia onde esse jovem está preso,  preciso ir o mais rápido possível e apontei para o endereço descrito no jornal. Ele colocou a sua mão direita em meu ombro. Eu continuava chorando. Em seguida me disse: – você é crente ou não é crente? Se for crente vamos confiar em Deus. Ele me mandou sentar-se à mesa. Pegou a Bíblia e a harpa cristã. E disse-me: – abra a sua harpa no hino 107 e cantamos juntos. Depois ainda cantamos mais quatro hinos. Depois lemos a Bíblia no salmo 121 e tiramos um período de oração de joelhos. Quando me levantei era outro homem. Só depois desse momento glorioso é que saímos para visitar o jovem encarcerado. Fomos de ônibus. Quando chegamos à delegacia, lá na zona Sul do Rio de Janeiro, o delegado de plantão me atendeu, me identifiquei, disse o que queria e então ele foi chamar o jovem para falar comigo. Em poucos minutos o moço veio. Ali choramos juntos. Ele só me disse o seguinte: – o que está ali no jornal é tudo uma inverdade, não foi isso que aconteceu. Me enquadraram em dois artigos do Código Penal, em um crime que não cometi. Antes de deixar aquele local, tirei do bolso um Novo Testamento dos Gideões Internacionais, capa cinza e, o doei aquele moço e lhe disse: é para ler… O tempo passou. Paguei um advogado que conseguiu tirar o rapaz daquela situação. Ouvindo o seu testemunho ele me disse que ao ler o Novo Testamento que havia lhe dado o Espírito Santo lhe falou claramente sobre o plano de salvação de Deus, e, então ele não teve escolha se não obedecer a voz do Espírito e aceitar a Cristo como seu Salvador… Me falou também que sofreu um acidente na prisão, provocado pelos presos que se revoltarão contra a sua vida. Ele me disse que durante dez dias não comeu e não bebeu, só lendo a Bíblia e ao final daquele período houve uma rebelião na delegacia e os presos queriam matar os crentes, então foi ai que ele levantou as mãos e repreendeu o grupo, que imediatamente caiu endemoninhado no chão… À noite, os presos juntaram muitos sacos plásticos e como ele estava debilitado por causa do grande período em jejum, então adormeceu e os presos amararam os sacos em sua perna direita e tocaram fogo… Aquele moço, com poucas semanas que havia sido posto em liberdade, compareceu em minha casa e me participou que a grande dificuldade que ele encontrava agora era conseguir um emprego, pois estava fichado e não conseguia obter uma nova identidade… Poucos dias depois ele voltou a minha casa e disse-me:  – no outro dia, após sua oração Orcélio, fui à delegacia e pedi ao plantonista para verificar a minha ficha, então foi ai que comecei a crer no milagre, pois nada constava ao meu respeito… e lhe pedi um nada consta para que pudesse tirar a identidade, e foi ai que senti o milagre de Deus. Pouco tempo depois pude ver a transformação daquele rapaz e como ele era dedicado a Deus. Ele foi separado para o santo ministério para a função de pastor a qual exerceu com muita proficiência… Esse moço que acabo de relatar, com o nome fictício é meu irmão filho de meu pai e minha mãe. Hoje, ele dorme no Senhor vitima de um acidente automobilístico. Deixou uma esposa, e quatro filhos. Isso é o que eu digo, aquele moço foi salvo pelo congo.

Esse relato é comovente e edificante. Caso o amigo e irmão deseje ler todo ele na íntegra e saber como foi os detalhes da vitória, e como foi a confusão na prisão é só adquirir o livro Avistei o Farol. Entre em contato comigo pelos telefones (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, email orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que o livro chegue as suas mãos, uma vez que você não o encontrará, ainda, nas principais livrarias nacionais.

Não pouse em qualquer lugar

“E soltou um corvo que saiu… Depois soltou uma pomba … A pomba, porém, não achou repouso para a planta dos seus pés e voltou a ele para a arca” (Gn 8.7,8).

Há alguns anos, estava na Universidade do Rio de Janeiro e, lendo um escritor português, percebi que ele citara essa passagem de Gênesis com o propósito de justificar seu argumento de que Deus, ao mandar Noé soltar o corvo, estava desestabilizando uma família, um lar. Trata-se, porém, de um argumento sem fundamento, pois foi Deus quem instituiu a família e sempre se preocupou com a união e segurança dela. Seu amor foi tão sublime e cheio de misericórdia que, ao perceber que o homem estava andando como ovelha que não tem pastor, providenciou a solução para o maior problema da humanidade: a remissão dos pecados e, para isso, não poupou nem mesmo seu unigênito e amado Jesus Cristo o qual, através de sua morte, resgata a nossa salvação e mantém a família em condição de prosseguir unida e feliz. Deus, ao providenciar o escape para a geração antediluviana, também pensou na subsistência da família. O corvo, só em estar na arca, podia se considerar um privilegiado. Noé não soltou somente o corvo, mas a pomba também e ambos tiveram a mesma missão. Analisando bem a passagem, podemos tirar alguns ensinamentos espirituais, entre eles, destacamos: 1) o corvo é o símbolo do homem carnal e sem compromisso com as tarefas recebidas; 2) a pomba é o símbolo do homem espiritual. O corvo logo encontrou fartura de alimento e por lá ficou talvez porque estivesse saturado da comida oferecida na arca. Já a pomba não encontrou repouso para os seus pés, muito menos alimento sadio, o que a fez retornar para a arca (tipo de Cristo, símbolo da igreja e de segurança) e, voltando, em outra oportunidade, trouxe um ramo de oliveira (símbolo da paz). Deus ama a família e quer que ela seja salva. Queridos irmãos em Cristo e diletos leitores, não deixem que seus pés pousem em qualquer lugar e não comam qualquer alimento. Escolham o melhor pastor e a mais cristalina fonte, como ovelhas de Cristo. Se você está se distanciando da arca (Cristo, Igreja), pense bem nas consequências. Reflita sabiamente e volte logo ao nosso convívio. O salmista disse: Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor (Sl 122.1). Lembre-se de que você é de grande importância para Deus!

Caso o amigo e irmão deseje ler todo o livro, o volume II da Coleção Nas Asas do Espírito, entre em contato comigo e adquira-o, não só este, mas os demais volumes pelos telefones (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, email orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que o livro chegue em suas mãos, uma vez que você não o encontrará, ainda, nas principais livrarias nacionais.

Não tenho nenhum legado

“Tinha Joacaz vinte e três anos de idade quando começou a reinar e três meses reinou em Jerusalém, e era o nome de sua mãe Hamutal, filha de Jeremias, de Libna. E fez o que era mal aos olhos do Senhor, conforme tudo o que fizeram seus pais” (2 Reis 23.1,2).

O rei Josias morreu por pura imprudência. Faraó-Neco não queria lutar contra o rei de Judá, mas ele procurou afrontar o rei do Egito e o fim foi trágico. Joacaz, filho de Josias assumiu o trono e só reinou três meses em Jerusalém, porque Faraó o prendeu no Egito até a morte e colocou no lugar de Josias a Eliaquim um dos filhos daquele rei de Judá e aproveitou para mudar, também o seu nome de Eliaquim para Jeoaquim. O rei Joacaz não tinha legado, não construiu um bom reinado, ele contrariou a vontade do Senhor, ele fez o que era mal aos olhos de Deus e por isso o Senhor permitiu que o rei do Egito o afrontasse e o prendesse. Se você tem desejo de ser uma bênção nas mãos de Deus procure produzir frutos na obra do Senhor, a fim de que o seu legado seja frutífero. Deus espera que você produza frutos bons, dignos de toda honra e glória. Não se apresente vazio diante de Jesus Cristo, faça alguma coisa para Deus, desperte o dom que há em ti, valorize o que você já recebeu do Espírito Santo, mantenha a sua chama acessa e amplie a sua tenda e firme bem as estacas, não permita que o inimigo de nossas vidas ponha a boca no trombone e divulgue que você não tem nenhum legado. O bom legado é alcançado com dedicação à obra do Senhor. Faça alguma coisa enquanto é dia, pois a noite vem e ai não haverá mais como trabalhar em prol do reino de Deus.